quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Aviso!


Galera, tem muita gente me perguntando o porquê da demora em atualizar Dangerous Life; como em todos os capítulos há uma meta de comentários a ser batida, que são 200 comentários. E DL com tantas leitoras ainda não bateu a meta no último capítulo postado, então enquanto isso não acontecer, não haverá atualização.

Sei que muita gente não comenta por preguiça ou porquê só está aí para ler mesmo e ser uma leitora fantasma; então coloquem a mão na consciência porque dá muito trabalho escrever um capítulo, não é só abrir o word e bam, capítulo pronto. 

Se querem atualização da FIC, façam o favor de comentar né? 

Qualquer coisa, meu Twitter: @MeChamoBelieber 

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Dangerous Life 3° - Capítulo 14 - Returning to normal




- Então, como foi o mês no Brasil? - Justin me perguntou. Estava nítido sua curiosidade.
- Um pouco complicado. Fui investigar sobre a suposta morte da minha mãe e encontrei somente tijolos no seu caixão. - Disse e Justin arqueou as sobrancelhas.
- Como assim tijolos?
- Hugo. Ele forjou a morte da minha mãe e fez com que eu acreditasse.
- Então sua mãe não morreu? - Perguntou confuso.
- Justin, aquela mulher que está na nossa casa é a minha mãe. - Revirei os olhos.
- Sério? Eu pensei que estava fazendo aquilo para me irritar.
- Claro que é sério.
- E como a encontrou?
- Quase que o Rio foi revirado em busca dela. Hugh mandou colar panfletos com uma foto dela, porém não obtivemos nenhuma resposta.
- Hugh... Hum. - Revirou os olhos.
- Eu estava quase desistindo para falar a verdade e com raiva. Porque ela estava o tempo todo viva e não procurou por mim. Então no dia que você teve overdose, eu saí de casa muito puta contigo, caso aparecesse na minha frente, você ia morrer de verdade... - Disse e ele riu. - Eu andei sem rumo e parei em uma praça, me sentei em um banco e foi quando ela apareceu.
- Num passe de mágica? - Perguntou irônico.
- Ela me viu chorando e quis saber o que se passava. Quando eu a vi, não conseguia acreditar que era ela.
- Se não fosse você me contando, eu não iria acreditar. E você não suspeitou de nada?
- De quê? Ela estava mendingando no meio da rua, Justin. Aquela praça era onde ela morava. - Respondi.
- E aquele moleque? É realmente seu irmão?
- Sim, por parte de pai.
- Ainda encontrou seu pai? Wow, essa história está cada vez melhor. - Ele disse esnobe e ajeitando o travesseiro na cabeça.
- Depois que encontrei minha mãe, obviamente quis saber quem era meu pai. Ela me disse o nome e fomos encontrá-lo, no trabalho dele.
- Não me diga que ele é do crime também?
- Não, ele é advogado.
- Agora sim a história está ficando boa. - Ele disse e taquei o travesseiro nele.
- Para de sarcasmo. - Disse e ele riu. - Continuando, quando entramos na sua sala, ele reconheceu a minha mãe e ela nos apresentou. Ele me conhecia já, porém eu não, pois era muito pequena quando ele deixou de me ver. E depois disso, descobri que tinha um irmão, que é o Lucca.
- Sua mãe sabe do que vivemos? - Ele me perguntou.
- Sim, eu contei tudo.
- Oh, minha sogra deve me odiar.
- Algumas partes eu pulei. - Revirei os olhos. - Meu pai e o Lucca não sabem. Não sei o que meu pai faria se soubesse, ele é um homem da lei.
- Azar o dele. Quanto menos seu pai se envolver nisso, melhor para ele. - Justin deu de ombros.
- Tá ameaçando o meu pai na minha frente? - Perguntei incrédula.
- Claro que não, amor. Só estou lhe avisando. - Ele disse me puxando para o seu peito. - Aliás, vou adorar conhecer o meu sogro.
- Você é muito sínico. - Respondi e ele deu risada. - Escuta, amanhã você vai falar com minha mãe e o Lucca feito gente, ok?
- Ok, ok. O Hugh passou o mês com você?
- Quase um mês, porquê?
- Fez isso porque sabe que não vou com a cara dele.
- Que mentira. O chamei para ele me ajudar com as buscas. E eu já te disse que essa implicância é inútil, o Hugh tem a família dele e ama a esposa.
- Vou me esforçar para acreditar.
- E você? O que fez durante um mês? - Perguntei o olhando que mirava o teto.
- Bebi e usei droga. - Ele deu de ombros e revirei os olhos.
- Além disso...
- Só fiz isso.
- Que interessante em. Bela forma de resolver os problemas.
- A culpa foi sua.
- Diz que a culpa foi minha de novo que eu meto a mão na sua cara. - Sorri falsa.
Justin gargalhou e beijou minha testa.
- Fiquei sabendo que roubaram cargas suas, tem ideia de quem foi? – O perguntei.
- É. – Ele bufou e ficou tenso. – O desgraçado que fez isso foi esperto. Até agora não tive nenhuma pista.
- Tem algum magnata novo? Um traficante? Sei lá...
- Pior que eu ainda não me informei sobre isso. Não me importei durante esse tempo que esteve longe.
- Pois deveria ter ocupado seu tempo fazendo isso.
- Eu sei que vacilei, mais eu vou descobrir quem foi. Sempre descubro.
- Fora isso, os negócios estão indo bem?
- Sim e você está atrás de mim ainda. – Debochou.
- Não por muito tempo. Eu voltei, bebê. Vai ter que se contentar com o segundo lugar. – Debochei também.
- É uma piada? Me avisa se for.
- Eu sou uma mulher de palavra.
- Quer quanto tempo para ficar em primeiro?
- Duas semanas.
- Ótimo, quem perder leva o Jason para as aulas de natação. – Justin respondeu e arqueei as sobrancelhas.
- Desde quando ele faz natação?
- Desde a semana passada. Aquele garoto tem muita energia e precisa ser desperdiçada em algo. – Ele disse e dei risada.
- Ele precisa voltar às aulas, isso sim.
- Concordo! Assim vamos ter bastante tempo para foder. – Ele disse malicioso.
- Idiota. – Disse e ele riu. – Andei pensando e acho que o Jason tem que se socializar com outras crianças.
- Continue...
- Não seria melhor colocá-lo em um colégio normal? Ele tem que fazer amizades da idade dele. Quero que ele cresça como uma criança normal. – Disse contornando suas tatuagens no peito com as pontas dos dedos.
- Você sabe o que eu penso sobre isso.
- Sim, eu sei. Mas você não acha que ele ficaria feliz?
- Você sabe que é perigoso também. Sabe quantas pessoas querem nossa cabeça? Imagine se descobrem onde o Jason estuda.
- Não seja pessimista. Ninguém em sã consciência faria algum mal para o Jason.
- Não sei Mellanie. – Ele disse encarando o teto.
- Por favor, amor. Nós colocamos seguranças nos portões do colégio... – Disse e ele ficou calado. – Amor?
- Tá bom, tá bom. – Ele disse por vencido e dei um selinho demorado nele.
Me estirei e peguei meu Iphone.
- Vai fazer o quê? – Ele perguntou enquanto eu me sentava.
- Procurar um colégio bom e seguro. – Disse olhando no Google.
- Sabe que nenhum vai ser seguro do jeito que eu quero. – Ele respondeu.
- Se não quer ajudar, também não atrapalha. – Respondi e Justin gargalhou.
Parei alguns segundos para admirar ele rindo. No dia em que Deus fez o Justin, ele realmente estava inspirado.
- Tira foto que dura mais. – Ele piscou e balancei a cabeça.
- Shiu! – Disse e foquei no meu celular.
Vi alguns colégios que a estrutura era muito boa, porém os comentários dos pais deixavam a desejar. Depois de algum tempinho, encontrei um que me agradou.
- Olha esse. – Mostrei ao Justin. – Gostei.
- Parece ser bom. – Ele respondeu.
- Ótimo. Amanhã vamos lá matricular o Jason. – Disse e Justin me olhou.
- Nós? – Ele perguntou.
- Sim, nós. – Confirmei.
- Vou estar ocupado durante o dia todo. Ainda quero pegar o engraçadinho que me roubou.
- Vamos pela manhã. – Disse tomando meu celular dele.
- Mellanie, eu disse que vou estar ocupado.
- Às 9:00 é um bom horário. Vamos levar o Jason para conhecer o ambiente.
- Está me zoando né? – Ele perguntou.
- Não mesmo.
- Não vou poder ir.
- Ok, se não quiser participar da vida do seu filho, ok Justin. – Dramatizei.
- Caramba, tinha esquecido o quanto você consegue ser irritante. – Bufou. – Tudo bem, eu vou.
- Ótimo. – Disse cruzando os braços.
Justin me olhou e virei o rosto.
- Que drama! – Ele disse me puxando e caí em cima dele.
- Andou fazendo mais tatuagens? – Perguntei o analisando.
- Fiz algumas. – Deu de ombros.
- Tá achando que é gibi? – Perguntei e ele riu. – Vou fazer uma também.
- Não. O J já está de bom tamanho.
- Mas você tem várias...
- Eu gosto da sua pele assim, limpa.
- Eu estava pensando em fazer uma nas costas, o que acha? – Perguntei apenas para testar a sua paciência.
- Não.
- Ah amor... – Disse dengosa.
- Dessa vez não vai funcionar.
- Droga! – Disse rindo.
- Tá tirando com a minha cara né? – Ele perguntou e concordei rindo.
Justin me jogou do outro lado da cama e ficou em cima de mim, segurando meus pulsos.
- Não tem medo do perigo? – Perguntou fitando meus olhos.
Umedeci meus lábios.
- Eu durmo com ele. – Disse e mordi seu lábio inferior, iniciando um beijo quente.
(...)
Logo cedo o despertador do celular do Justin tocou.
- Quer tomar café onde? – Justin me perguntou enquanto se vestia.
Eu ainda estava na cama, enrolada nos lençóis e criando coragem para levantar.
- Em casa. – Respondi.
- Então se apressa. – Ele disse mandão.
- Deveria pelo menos ter poupado a minha calcinha. – Disse me levantando e procurando meu vestido que deveria estar jogado por ali.
Justin deu de ombros e fechou o zíper da sua calça. Catei meu vestido e o coloquei, sem calcinha mesmo. Fui ao banheiro e joguei uma água no rosto, fiz um coque improvisado no cabelo e pronto.
- Meu iate vai ficar aqui? – O perguntei.
- A menos que você queira mandá-lo pra Roma de novo. – Ele disse.
- Não, está bom aqui mesmo.
- Vamos? – Ele disse me estirando a mão para pegá-la.
Segurei em sua mão e saímos do quarto do iate, logo depois, saindo do mesmo.  
- Bom dia, Sr. e Sra. Bieber. – Um de nossos seguranças nos cumprimentou.
- Bom dia. – Respondemos.
- Os carros estão estacionados à frente. – Ele disse.
- Vem comigo? – Justin me perguntou.
- Não, vou no meu carro mesmo. – Disse.
- Porquê? – Ele perguntou me olhando.
- Por nada ué. Só quero ir no meu. – Dei de ombros.
- Ok. Quer apostar corrida? – Ele perguntou soltando minha mão e caminhando até o seu quarto.
- Se eu não fosse parar na farmácia, talvez apostaria.
- Vai comprar o quê?
- Coisas de mulheres. Nos vemos em casa, querido. – Disse entrando no meu carro e fechando a porta.
Liguei o carro, buzinei para o Justin e pisei fundo. Parei na primeira farmácia que vi, desci do carro e vi dois carros pretos parados atrás de mim.
- Claro que o Justin mandaria vocês aqui. – Disse alto para eles ouvirem.
- Para sua segurança, senhora. – Um dos seguranças respondeu saindo do carro.
- Ah claro. – Soltei uma risada irônica e entrei na farmácia.
Comprei meus anticoncepcionais e uma pílula do dia seguinte, já que tinha parado de tomar anticoncepcional quando fui para o Brasil. Comprei uma garrada d’água e tomei ali mesmo. Saí da farmácia e lá estavam eles me esperando, assim que entrei no carro, eles deram partida também. Ao chegar na mansão, o carro do Justin já estava estacionado no jardim. Entrei em casa e só ouvi uns barulhos vindos da cozinha.
Segui direto para o meu quarto. Justin estava falando no celular. Ele olhou curioso para a sacola da farmácia que estava em minhas mãos. A joguei dentro de uma das gavetas do criado-mudo e fui para o banheiro. Precisava de um banho demorado. Tirei o vestido e liguei o registro do chuveiro, aproveitei para lavar o cabelo. Saí do banho e Justin ainda estava no celular, a conversa parecia que ia demorar. Fui para o closet, coloquei uma lingerie e um conjuntinho branco, acompanhado de um salto médio. Me sentei de frente a penteadeira e Justin ainda tagarelava ao celular.
- Justin, nós vamos nos atrasar. – Disse.
- Estou falando com o Ryan. – Ele respondeu.
- Outra hora as mocinhas fofocam, você nem tomou banho ainda.
- Que saco! – Ele resmungou.
Fui secar os cabelos e Justin reclamou ainda mais do barulho, então ele desligou e foi tomar banho. Depois de ter secado o cabelo, prendi em um rabo de cavalo e passei pouca maquiagem. Escolhi um dos meus óculos e coloquei dentro da minha bolsa, junto com meu celular e uma arma. Fui procurar os documentos do Jason, porque certamente precisaria para fazer a matrícula.
- Justin? – O chamei entrando no banheiro.
Ele estava dentro do box todo ensaboado.
- Han?
- Procura seus documentos que eu vou acordar o Jason. – Disse.
- Pra quê? – Ele perguntou lavando o rosto e me olhando.
- Para a matrícula do Jason. – Respondi.
- Tô começando a me arrepender.
- Termina isso logo, bunda branca. – Disse rindo e saí do banheiro.
Me dirigi para o quarto do Jason, Jack já estava lá o levando para tomar banho.
- Bom dia, senhora. – Ela disse.
- Bom dia. – Respondi. – Oi meu amor. – Disse beijando sua bochecha.
- Oi mamãe. – Ele respondeu coçando os olhos.
- Vá tomar banho que nós vamos sair.
- Pá onde? – Ele perguntou.
- É segredinho.
Jack o levou para o banheiro e fui escolher uma roupa para ele. Jason saiu do banho e fui vesti-lo.
- Mamãe, quelo topete. – Ele pediu enquanto eu penteava seus cabelos.
- Hum, vai ficar gatinho de topete. – Disse e Jack pegou um gel para cabelo.
Fiz o topete que ele tanto queria e passei um perfume.
- Amor, faz uma pose para a mamãe tirar uma foto. – Pedi pegando meu celular.
- Assim? – Ele ficou parado fazendo sinal de paz e amor.
- Ótimo. – Disse rindo. – Pode sorrir?
- Sélio, mamãe. – Ele respondeu e Jack riu do meu lado.
- Ok. Lá vai. – Disse e tirei a foto.
Vou mandá-la para o meu pai vê como meu rapaz está grande.
- Mellanie? – Ouvi Justin chamar no corredor.
- Estamos indo.
Peguei na mão do Jason e saímos do quarto.
- Wow! Swag! – Justin disse pegando Jason nos braços.
- Oh meu topete, papai. – Jason disse mostrando.
- Ficou maneiro. – Justin respondeu.
Já das escadas dava para ouvir a conversaria da cozinha.
- Estão bem animados hoje. – Disse. – Bom dia!
Estavam todos à mesa se servindo, pararam o que estavam fazendo e nos olharam.
- O casal se resolveu? – Jeremy perguntou.
- Que bom que voltaram, Justin estava um saco. – Jazzy respondeu. – Que bebê mais lindo da titia.
- Cala a boca. – Justin disse sentando-se e colocou Jason em sua perna.
- Onde vão? – Pattie perguntou curiosa.
- Matricular Jason em um colégio. – Respondi me sentando do lado da minha mãe. – Bom dia, mãe.
- Bom dia, querida. – Ela disse sorrindo. – Que bom que resolveu colocar Jason em um colégio.
- Também gostei da ideia. – Pattie respondeu. – Vai ser bom para ele.
- Então, como não foram apresentados devidamente, Justin, essa é a minha mãe Madison e meu irmão, Lucca. – Disse.
- Prazer, Madison! Fico feliz em ter aparecido. – Justin respondeu estirando a mão para ela.
- Prazer, Justin. Minha filha falou muito de você. – Ela disse.
- Espero que tenha sido coisas boas. – Justin disse.
- Talvez...
- Eai Lucca, gostando da Califórnia? – Justin o perguntou.
Mais falso, impossível.
- Sim. – Ele respondeu.
- Pretende ficar até quando?
- Um mês, depois volto para o Brasil.
- Vamos aproveitar bastante durante esse tempo. – Jaxon respondeu.
- Já estão amigos? – Jeremy perguntou.
- O irmão da Mel é legal, ao contrário de outros... – Jazzy disse e olhou para Jaxon e Justin.
- Tá achando ruim, compra um novo. – Jaxon disse e Justin riu junto com ele.
- Dois idiotas! – Jazzy revirou os olhos.
- Ok, não comecem e vamos tomar café. – Jeremy respondeu.
Tomamos café enquanto conversávamos.
(...)
- Pegou os documentos? – Perguntei a Justin após entrarmos no carro.
- No banco de trás. – Ele respondeu.
- Amor, você vai na cadeirinha atrás porque o seu pai não tem muita noção das coisas. – Disse prendendo Jason.
- Eu ouvi. – Justin respondeu.
Me sentei no meu lugar e Justin ligou o carro.
- Qual o endereço? – Ele perguntou.
- Vou pôr no GPS. – Respondi.
Ele ligou o som e deu partida. Tocava músicas de um rapper famoso.
- Será que têm músicas melhores que essas?
- Qual é? Esse cara é foda.
- Jason vai aprender palavrões novos se não tirar essa porcaria.
- Meu carro, minhas regras. – Ele deu risinho.
- Minha mão na sua cara, minhas regras. – Respondi e Justin gargalhou.
- Você é hilária, amor.
Em vinte minutos chegamos ao colégio que tinha visto na internet. Descemos do carro e tirei o Jason da cadeira, o coloquei no chão e peguei os documentos. Ele segurou na minha mão e na do Justin.
- Cena digna de comercial de TV. – Justin comentou.
- Cala a boca.
Entramos no colégio e nos informamos onde era a diretoria. A mulher da secretaria comeu o Justin com os olhos. Desnecessária.
- Podem entrar. – Ela disse sorrindo, assanhada.
- Você gosta dos seus dentes? – A perguntei.
- Porque a pergunta?
- Melhor escondê-los, antes que eu os quebre. – Respondi a fitando.
- Amor... – Justin disse contendo o riso. – Entra logo.
Entramos na sala da diretoria e Justin ainda segurava o riso.
- Bom dia. Sr. e Sra Bieber? – A diretora que aparentava ter na faixa de cinquenta anos, nos cumprimentou.
- Bom dia. – Respondemos.
- Sentem-se. – Ela disse.
Nos sentamos e sentei Jason em meu colo.
- No que posso ajudar? – Ela perguntou.
- Viemos fazer a matrícula do nosso filho. – Disse.
- Como se chama o pequeno?
- Jason.
- Ele estudava em outro colégio antes?
- Não, resolvemos colocá-lo agora.
- Então, como é a segurança aqui? De acordo com as nossas pesquisas, esse colégio é bem requisitado. Filhos de importantes políticos estudam aqui, creio que seja bem seguro. – Justin foi bem direto.
- Sim Sr. Bieber. Nosso colégio é bem seguro, dez seguranças guardam essa instituição.
- Dez? – Justin perguntou. – Não acha que é um número pequeno? Não gostaria de deixar meu filho estudando em uma instituição que não tem segurança suficiente por metro quadrado.
- Graças à Deus não temos nenhuma ocorrência de invasão no histórico do colégio. Tudo está sob controle. – A diretora respondeu.
- Espero que continue assim. – Justin respondeu a olhando.
- Justin... – Chamei sua atenção. – Vai ficar tudo bem, amor, relaxe.
- Vamos dar início à matrícula? – Ela perguntou.
- Primeiro quero ver o colégio. – Justin disse.
- Pois não, vou pedir para alguém acompanhá-los.
- Não, quero que você vá nos acompanhar. – Justin exigiu.
- Tudo bem, vamos lá. – Ela respondeu.
Justin já estava amedrontando a coitada da diretora.
- Para com isso. – Sussurrei para ele.
- Não estou fazendo nada demais. – Ele respondeu.
(...)
A diretora nos mostrou o colégio inteiro e Jason gostou mais do bloco didático. Tinham muitos brinquedos e aliás, estavam cheios de crianças pois já era hora do intervalo. Ele ficou animado em ver as crianças brincando. Ele vai adorar esse lugar. Finalmente fizemos a matrícula do Jason, amanhã mesmo ele iria começar.
- Vou mandar mais seguranças para cá. – Justin disse enquanto entrávamos no carro para ir embora.
- Justin, é seguro, não precisa. – Respondi.
- Só aceito Jason nesse colégio com esse porém, Mellanie. Se não, nada feito! – Ele respondeu.
- Tá, que seja. – Revirei os olhos. – Tem que comprar o material escolar do Jason.
- Não vai querer que eu vá né? Ai já quer demais. – Ele respondeu.
- Não. Nem eu vou, vou pedir a minha mãe e a sua. – Respondi.
- Ótimo. Vou me ocupar o dia inteiro.
Ele pisou fundo e logo chegamos à mansão.
- Vou para o galpão. – Ele disse estacionando.
- Tá bom. – Soltei Jason da cadeira que saiu correndo só Jesus sabe para onde.
- Cadê meu beijo? – Ele perguntou.
Tive que entrar no carro de novo para beijá-lo. Mesmo com o ar-condicionado ligado eu sentia meu corpo queimar. Minha abstinência por sexo não tinha passado.
- Sai logo desse carro, antes que eu nos tranque aqui dentro e foda aqui mesmo. – Justin disse e dei risada.
- Tchauzinho bebê. – Mordi seu lábio inferior com força e saí do carro.
Justin deu partida e entrei em casa.
- Alguém viu o Jason por aí? – Perguntei vendo minha mãe e a Pattie assistindo TV na sala.
- Acho que ele foi ver os cachorros com os meninos. – Pattie respondeu.
- Ok, tenho uma coisinha para vocês.
- O quê? – Minha mãe perguntou.
- Jason vai estudar amanhã, preciso que comprem o material escolar dele. Vou trabalhar e não posso. – Disse.
- Tudo bem. Essa casa está um tédio mesmo. – Disse a Pattie.
- Oh mãe. – Abri minha bolsa e peguei um dos meus cartões. – Se quiser comprar alguma coisa para você.
- Não precisa, filha. – Ela disse.
- Precisa sim. – Pattie pegou da minha mão e entregou a minha mãe.
Meu celular começou a tocar, o peguei e vi o nome da Lilly no visor.
- Divirtam-se. – Disse e me afastei para atender o celular.
- Mellanie? – Ela disse assim que eu atendi.
- Oi. – Respondi.
- Preciso te contar uma coisa. – Ela disse aflita. – Meu Deus, eu não sei como isso foi acontecer.
- Ok, agora está me deixando preocupada.
- Eu não sei o que fazer. – Ela suspirou fundo.
- Primeiro você tem que me dizer o que aconteceu para eu te ajudar.
- Eu estou grávida! – Ela disse com uma voz chorosa.


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Continua?
Obrigada pelos comentários!

✔ 200

Grupo da fic, mais informações, no meu Twitter @MeChamoBelieber 

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

The Apprentice - Twenty-fifth chapter




Quando acordei, Justin já não estava mais dormindo. Eu estava nua, coberta somente pelos lençóis da cama. Como que ele me deixa dormindo desse jeito? E se a Pattie entra e me ver assim? Que vergonha!

Me levantei enrolada no lençol e fui me espreguiçando para o banheiro. Coloquei o lençol em cima do vaso sanitário e liguei o registro do chuveiro. Esperei a água esquentar pois estava frio naquela manhã, aliás, como quase todas as manhãs no Canadá. Que país gelado.

Tomei um banho demorado, lavei os cabelos, escovei os dentes, me enrolei em uma toalha e saí do banheiro. Fui até o closet do Justin, onde havia uma parte somente para mim. Ele teve esse cuidado em deixar um espaço para colocar minhas roupas. É um amor mesmo.  Me vesti e fui pentear os cabelos.  Me sentei na beirada da cama enquanto fazia isso.

- Bom dia, bela adormecida! – Justin adentrou o quarto com um sorriso nos lábios.

- Bom dia. – Sorri para ele. – Porque não me acordou? – Perguntei após ele me dar um selinho.

- Fiquei com dó. – Ele respondeu e ri fraco.

- Eu vou para casa hoje. – Disse e ele torceu os lábios.

- Eu sei. Será que você não podia ir semana que vem?

- Justin...

- Eu estou brincando. Você tem que ir mesmo se acertar com a sua mãe...

- Que bom que você entende. – Disse largando a escova de cabelo em cima da cama.

- Toma pelo menos café da manhã com a gente. – Ele disse estirando a mão para eu pegar.

- Claro. – Disse segurando em sua mão e saímos do quarto.

- Minha mãe ficou triste quando eu disse que você ia embora hoje. – Ele disse enquanto caminhávamos pelo corredor.

- A gente mora quase colados um ao outro, qualquer coisa eu estou aqui ou vocês vão me ver. – Respondi.

- Tem razão. – Ele disse.

Chegamos à cozinha e Pattie estava colocando a mesa do café e Jeremy já sentado lendo um jornal.

- Bom dia! – Disse.

- Bom dia querida. Sente-se, o café está quase pronto. – Pattie disse muito simpática.

- Bom dia, Kate. – Jeremy respondeu.

- Quer ajuda? – Perguntei.

- Não, está tudo sob controle. – Ela respondeu.

Me sentei ao lado do Justin que começou a conversar com seu pai sobre as notícias do dia. Pattie terminou de colocar a mesa e sentou-se.

- Justin me disse que vai embora hoje, é verdade? – Ela me perguntou.

- Sim, eu preciso me resolver com a minha mãe. – Respondi.

- Não sei se fico feliz ou triste em saber disso. – Ela respondeu e ri.

- Pattie, tem que ficar feliz pela menina. – Jeremy disse.

- Você quer que eu seja falsa? Estou sendo sincera. A Kate virou nossa segunda filha. – Ela disse acariciando minha mão e sorri largo.

Era bom saber que ela sentia isso por mim, logo agora que ela é minha sogra.

Isso mesmo Kate, sua sogra!

- Você é um amor, Pattie. – Disse.

- É meio estranho saber que nosso filho pega nossa segunda filha. – Jeremy disse e Justin gargalhou.

- Essa conversa está um pouco estranha, será que podemos conversar sobre outra coisa? – Justin sugeriu e concordamos.

- Olha, vai ter jogo dos Cullitons semana que vem. – Jeremy disse olhando o jornal. – Estamos bem nessa temporada.

- Nós vamos! – Justin disse animado.

- Dessa vez eu vou. – Pattie disse.

- Ihhh, você é pé frio, acho melhor ficar em casa. – Jeremy disse e rimos.

- Quê? Agora que eu vou mesmo. – Ela disse e Justin gargalhou.

- Que responsabilidade em dona Patrícia? Se os Cullitons perder, já sabemos qual foi a causa. – Justin implicou e riu com o Jeremy.

- Deixem ela. Tadinha. – Disse rindo. – Nós vamos ganhar, Pattie.

- Olha só isso, Kate. Cuidamos do marido e do filho para depois sacanear com a nossa cara. – Pattie disse e rimos.

Terminamos nosso café e fui para o quarto do Justin para arrumar minhas coisas. Justin ficou deitado na cama apenas observando eu dobrar minhas roupas e guardar na mala.

- Você vai contar logo para os seus pais do nosso namoro? – Justin me perguntou.

Fechei a mala e o olhei.

- Eu não sei. Estou aflita com a conversa que iremos ter, mais não se preocupe, logo eles saberão. – Respondi.

- Tudo bem.

- Podemos ir.

- Mais já? – Ele perguntou fazendo bico.

- Já. – Sorri e fui beijá-lo.

- Vou sentir falta de dividir a minha cama com você. – Ele disse me abraçando.

- Eu também. – Lamentei.

(...)

Estávamos em frente à porta da minha casa. Tinha acabado de tocar a campainha e Justin segurava a minha mala. Eu estava nervosa por ter que encarar minha mãe e finalmente ter uma conversa digna com ela.

- Kate! – Meu pai disse alegre após abrir a porta e me abraçou.

- Oi pai. – Respondi.

- Obrigado por ter cuidado da minha menina, Justin. Não sei como agradecer você e seus pais. – Meu pai disse apertando a mão do Justin.

- Imagina, Erick. Não precisa agradecer. – Ele respondeu.

- Não quer entrar?

- Não, não. Vocês devem ter muito o que conversar e eu preciso resolver umas coisas da faculdade. – Justin respondeu.

- Tudo bem, então. Me dê aqui essa mala. – Meu pai disse pegando a mala.

- Bom, eu vou indo. – Justin disse meio sem jeito e me olhou.

O abracei.

- Obrigada por tudo! – Sussurrei.

- Me liga depois, amor. – Ele sussurrou de volta.

Assenti com a cabeça depois que separei o abraço.

- Tchau, Justin! – Meu pai disse.

- Tchau. – Ele sorriu fraco.

Justin colocou as mãos nos bolsos da sua bermuda e seguiu em direção à sua casa.

- Vamos entrar. – Meu pai disse colocando sua mão em minhas costas.

Soltei o ar preso em meus pulmões e entrei na minha casa, depois de dias.

- Está com fome? – Ele me perguntou.

- Não, já tomei café. – Respondi. – Hum, eu vou para o meu quarto.

- Quando você vai conversar com a sua mãe?

- Deixa eu respirar um pouco, pai. Preciso ir ao meu quarto e organizar minhas coisas.

- Tudo bem, querida. Vou deixar a sua mala lá.

Concordei e fomos em direção ao meu quarto. Como prometido, meu pai só deixou minha mala e me deixou sozinha. Precisava de um tempo só para mim, para organizar as coisas na minha cabeça.

Enquanto pensava na suposta conversa que iria ter com a minha mãe, fui desarrumar a mala e guardar minhas roupas. Meu quarto estava todo arrumado, ela deve ter feito isso. Me sentei na beirada da cama e encarei minhas mãos, criando coragem para falar com a minha mãe.

Minutos se passaram e me levantei decidida a resolver essa intriga. Saí do meu quarto e cheguei à sala, encontrei com meu pai concentrado mexendo no notebook.

- Pai, onde ela está? – O perguntei.

- No quarto. – Respondi.

- Ela não foi trabalhar hoje? – Estranhei.

- Não, ela preferiu esperar você. – Ele respondeu.

Não disse nada e dei às costas. Cheguei em frente ao quarto dos meus pais e respirei fundo. Na sequência, dei três batidas na porta de madeira.

- Pode entrar! – Ouvi sua voz do outro lado.

Girei a maçaneta e fui entrando no quarto. Apesar dela estar longe do trabalho, o trabalho não estava longe dela. Minha mãe estava sentada na cama, rodeada de papéis e assinando mais outros. Quando ela bateu os olhos em mim, ficou surpresa ao me ver.

- Kate! – Ela murmurou.

- Eu volto em outra hora para gente conversar. – Disse vendo que ela estava com coisas demais para fazer.

- Não, espere... – Ela disse levantando-se. – Vem aqui, filha.

Fiquei parada a olhando. Como eu não me mexi um centímetro se quer, ela veio até a mim com os braços abertos.

- Que bom que está de volta!

Ela me abraçou e me senti mal em não conseguir retribuir seu abraço. Eu queria muito, porém não conseguia.

- Eu sinto muito por tudo o que aconteceu. – Ela disse acariciando meus cabelos.

Aquele carinho que eu não sentia há anos.

- Eu me sinto tão culpada, Kate. – Ela continuou a falar. – Me desculpe.

- Porque você não gosta de mim? – A perguntei, ela separou o abraço não correspondido e me olhou.

- De onde você tirou isso? Claro que eu gosto de você. Você é minha filha. – Ela respondeu me olhando.

- Porque eu não consigo acreditar nisso? Olha todas as coisas que você fez para mim, só fez me sentir mal...

- Não, eu só queria o seu bem. Eu não fiz por mal, eu juro.

- Você nem se importou com o que aconteceu comigo. – Disse a encarando.

- Com certeza o seu pai já deve ter dado com a língua nos dentes sobre o que acontece comigo. Às vezes eu tenho emoções contrárias que eu gostaria de ter. Eu queria ir te ajudar e dizer que estava tudo bem, mas ao mesmo tempo não. Não me culpe por isso.

- Se eu disser para você que não te culpo, eu estaria mentindo. A mágoa que eu guardo aqui dentro não é de agora. É desde quando você me jogou naquele convento para se dedicar ao trabalho.

- Foi para o seu bem...

- O meu bem, mãe? Isso me faz mal até hoje. As pessoas me fazem mal até hoje por causa disso. “ Ah Kate, não era você que ia ser freira? ”

- Lá você foi bem-educada. Eu e o seu pai não íamos ter tempo para você, o trabalho exigia muito. Você era uma criança...

- Exatamente. Eu era só uma criança.... Na verdade, seus problemas psicológicos foram descontados em mim.

- E se tiver sido mesmo, vai adiantar do que agora? Você está com a gente agora.

- Eu esperava pelo menos um pedido de desculpas, mas acho que não vai rolar...

- Eu não vou pedir desculpas por algo que eu fiz que acho que foi o certo. – Ela respondeu.

- Então não espere que eu ache que você sinta muito. – Disse com raiva.

- Kate, você é minha filha, nós não podemos viver em pé de guerra.

- Me peça desculpas. – Pedi.

- Eu não estou errada.

- Tudo bem. Agora vou deixar você com o seu trabalho, só vocês se dão bem...

- Kate? – Ela me chamou, porém não dei ouvidos e saí do quarto.

Dei de cara com o meu pai no corredor.

- Estava ouvindo? – Perguntei e ele assentiu com a cabeça. – Eu fiz a minha parte.

- Eu sei, querida.

- Vou para o meu quarto.

- Não se esqueça que hoje você tem consulta com a psicóloga.

- Como esquecer, pai.

Fui para o meu quarto e me joguei na cama. Meu celular começou a tocar, era a Caitlin.

- Oi prima, saudades gostosa! – Ela disse e ri fraco.

- Oi Cait, eu também estou com saudades de você. – Respondi.

- Quando volta para a faculdade? Está muito chato sem você.

- Semana que vem eu vou. – Disse. – Já sei que estou bem ferrada em algumas cadeiras.

- Kate, os professores sabem o que aconteceu. Repercutiu na cidade inteira, com certeza eles vão entender o seu caso e deixar que você faça as provas para não reprovar.

- Nem me lembre que todo mundo sabe. Vou morrer de vergonha quando chegar na faculdade.

- Vergonha porquê? Tem que ter orgulho da coragem que teve de colocar aquele peste na cadeia. A outra não teve essa coragem...

- Acho melhor mudarmos de assunto.

- Ok, como vai com a psicóloga?

- A primeira sessão foi horrível. Ela me fez contar tudo o que aconteceu e parecia que eu estava vivenciando aquilo novamente.

- Ela fez isso para saber o que aconteceu com você ué, não tem como ela adivinhar.

- Eu sei, eu sei. Mas não gostei do que senti.

- Relaxa que vai melhorar. Ela vai te ajudar a se livrar desse trauma.

- Ontem os tios do Justin foram jantar na casa dele, nisso tinha um primo dele, acredita que eu me assustei com ele andando atrás de mim? Qualquer coisa eu penso que é o...

- Você está impressionada demais com o que aconteceu. Coloque nessa sua cabecinha que ele nunca mais vai te fazer mal. Ele está vendo o sol nascer quadrado.

- Eu sei, Cait. Mas eu não sei, tem um bloqueio forte na minha mente. Eu quero acreditar muito nisso.

- Acredite! O pior já passou, agora só virão coisas boas.

- Falando em coisas boas, eu tenho uma ótima para te contar. – Disse sorrindo.

- O que? Estou curiosa! – Perguntou eufórica.

- O Justin me pediu em namoro.

- Sério? – Ela perguntou e nem esperou eu responder para dar gritinhos histéricos. – Ah meu Deus, que notícia maravilhosa. Estava na hora já né.

- Eu também não acreditei na hora do pedido, mais foi real.

- Own! Só de pensar que no início eu era a primeira a descordar desse relacionamento, porém agora eu sou a primeira a apoiar. Quero que vocês sejam muito felizes juntos.

- Obrigada, Caitlin. Eu fico feliz que tenha alguém torcendo pela nossa felicidade. – Disse sorrindo.

- Não somente eu, como os garotos também. Quando vamos sair para comemorar?

- Não sei. Voltei para casa e não sei como vai ser daqui para frente.

- Já conversou com a sua mãe?

- Tentei uma conversa, mais ela não quer dar o braço a torcer.

- Vai ficar tudo bem. Olha, vou almoçar e ir para a faculdade, depois conversamos mais.

- Tá bom. Boa aula, beijos!

- Beijinhos. – Ela disse e desligou.

Lembrei que tinha que ligar para o Justin. Mas nesse horário com certeza ele está se arrumando também, vou deixar para ligar mais tarde. Ouvi meu pai me chamar para almoçar, saí do quarto e fui para à cozinha.

- A consulta é às 14:00 horas. – Ouvi meu pai dizer para a minha mãe.

Me sentei ao lado do meu pai e comecei a me servir.

- Fiz seu prato preferido. – Minha mãe disse.

- Eu vi. – Respondi rápido.

- Ouviu? – Meu pai me perguntou.

- O quê? – Perguntei de volta.

- A sua consulta é às 14:00. – Ele repetiu.

- Sim, ouvi. – Respondi.

- E esse anel? – Minha mãe perguntou olhando para o meu dedo.

- Eu ganhei.

- De quem?

- Do Justin. – Disse.

- Justin é um cara tão bacana. Eu gosto daquele moleque. – Meu pai disse e só concordei com a cabeça.

Como aparentemente eles não desconfiaram do anel, terminei de almoçar calada. Minha mãe tentava puxar assunto, mais eu não estava afim. Eu estava magoada e ela não quis me pedir desculpas. O que custa um pedido de desculpas? Será que dói dizer “ Me desculpas Kate, eu errei. ”?

Depois do almoço, subi para o meu quarto e fiquei esperando dar o horário para me arrumar e ir para a psicóloga. Não é algo que eu goste de ir, porém é necessário.

- Vamos, Kate. Se não vamos nos atrasar. – Meu pai gritou do corredor.

- Já estou pronta. – Respondi saindo do meu quarto.

- Você está linda! – Ele me elogiou e olhei para a minha roupa.

Era apenas uma camisa preta, um jeans surrado e um all star.

- Obrigada, pai. – Disse desconfiada.

(...)

- Até quando vou ter que vir aqui? – Perguntei assim que chegamos em frente ao prédio.

- Até você se sentir bem. – Ele respondeu.

- Mas eu estou bem, pai. – Disse.

- Não comece...

- Tem que mudar o horário das consultas, semana que vem vou voltar para a faculdade e não vou poder faltar.

- Tudo bem, faremos isso assim que chegarmos lá.

Pegamos um elevador e paramos no andar do consultório. Fomos até a recepcionista.

- Boa tarde! Eu queria mudar o horário das consultas da minha filha. – Meu pai disse e fiquei de braços cruzados a vendo mexer no computador.

- Nome da paciente.

- Kate Beadles. – Meu pai respondeu.

- Deseja qual horário?

- Na parte da manhã. – Respondi.

- Às 9:00 está bom?

- Sim. – Disse.

- Ótimo. Agora é só aguardar que a próxima a entrar é você.

- Obrigado. – Meu pai respondeu e fomos nos sentar.

Aproximadamente dez minutos depois, a minha vez chegou. A Dra. Júlia já me esperava na porta com um sorriso nos lábios. Queria estar feliz em vê-la também, nosso último encontro não foi muito legal.

- Que bom que veio, Kate. – Ela disse após fechar a porta atrás de nós.

Me sentei naquela mesma poltrona da vez anterior.

- Como passou os dias? – Ela me perguntou sentando-se na sua cadeira.

- Bem. – Respondi.

- Estávamos indo muito bem na nossa conversa da sessão anterior. O que aconteceu?

- Eu lembrei de coisas que eu não quero lembrar!

- Eu sei que é doloroso para você. Mas se você ficar evitando e não cuidar do que aconteceu, vai ser mais doloroso ainda, você me entende? – Ela perguntou e assenti com a cabeça.

- Eu vou tentar.

- Ótimo! É isso que eu quero ouvir. – Ela sorriu. – Você estava me falando que saiu de casa e foi para o Starbucks, onde alguém estava olhando para você. Pode me contar quem era essa pessoa? – Perguntou e umedeci os lábios, assenti com a cabeça. – Quem era?

- Era o Paul. – Engoli à seco.

- Pode me falar sobre ele? Sobre o que você sabe dele.

- Ele era meu colega de faculdade.

- Vocês eram amigos?

- Não, éramos só colegas.

- Entendi. Você percebia algum comportamento diferente dele com você?

- Eu não sei. Ele me tratava muito bem. Saímos até uma vez para tomar sorvete, ele foi atencioso comigo e não me faltou com respeito. Mas sempre me avisavam para ficar longe dele.

- E porque te avisam isso?

- Eu achava que era implicância dos meus amigos, mas eu não sabia o porquê de ter que ficar longe dele. Eu deveria ter dado ouvido a eles...

- Calma... Sem culpa, ok? Continue falando sobre o que aconteceu no Starbucks.

- Quando eu o vi ali me encarando, quis sair logo dali, eu tinha acabado de ter uma discussão horrível com a minha mãe e não queria conversar com ninguém. Só que assim que saí, ele veio atrás de mim e disse que nós precisávamos conversar. Eu disse que não queria conversar e ele disse que eu estava estranha e começou a me falar coisas sem nexo.

- Tipo o quê?

- Eram várias coisas, ele estava descontrolado e segurou em meu braço com força. Eu pedi para que ele me soltasse... – Suspirei pesado.

- Se sente à vontade para continuar a me contar? – Ela me perguntou e passei as mãos entre os cabelos.

- Eu estou tentando. – Disse.

- Se você não se importar, tem alguém que vai fazer parte da sua consulta. Talvez te ajude e ajude à essa pessoa também.

- Quem? – Perguntei apreensiva.

A Dra. levantou-se e caminhou até a porta. Ela a abriu e ouvi ela falar com alguém lá fora.

- Pode entrar. – Ela disse e me virei para ver.

- Mãe? – Perguntei.

- Sua mãe é minha paciente também. Ela precisa saber o que realmente aconteceu com você naquela noite. – A Dra. disse. – Pode sentar do lado da sua filha.

Minha mãe fez isso.

- Pode continuar, Kate.

- Eu não sei...

- O que o Paul fez com você depois que você pediu para que ele te soltasse? – Ela me perguntou.

- Ele ignorou o meu pedido. – Olhei para os meus dedos entrelaçados sob o meu colo. – Ele ignorou todos eles. Ele começou a me arrastar no meio da rua, as pessoas que passavam não davam a mínima sobre o que estava acontecendo. Eu não conseguia abrir a boca e pedir ajuda a alguém.

- E depois o que aconteceu?

- Ele me arrastou para um beco imundo, eu pensei que ia morrer naquela hora. Eu estava com tanto medo do que ele poderia fazer comigo. – Disse e senti meus olhos arderem. – Eu perguntava o porquê de ele estar fazendo aquilo comigo e ele só respondia com coisas sujas.  Porquê que ele estava fazendo aquilo? – Perguntei a olhando, algumas lágrimas começaram a rolar pelas minhas bochechas. – Eu tentei escapar ainda, mas ele me alcançou e me derrubou no chão. Ele me xingava tanto que eu estava me sentindo um lixo, nunca havia me sentido tão mal.

- Porque não pediu ajuda? – Minha mãe perguntou irritada.

- Era o que eu mais fazia e ninguém me ouvia. Ele... Ele deitou-se por cima de mim e começou a beijar meu pescoço, que nojo que eu sinto! Meu Deus, eu queria morrer naquele momento. Ele me deu um tapa e rasgou minha blusa...

- Tá bom, eu não quero ouvir mais! – Minha mãe levantou-se aos prantos.

- Acalme-se Lauren! – A Dra. disse.

- Eu não quero mais ouvir, não quero. – Ela disse transtornada.

- Sente-se, a Kate vai terminar de contar.

- O que ele fez com você, filha? – Minha mãe perguntou ainda chorando, sentando-se novamente ao meu lado.

- Ele teria feito algo pior, se o meu pai e o Justin não tivessem chegado há tempo. Ele ia abusar de mim.... Eu tenho nojo do Paul!

- A culpa foi minha. Se não tivéssemos tido aquela discussão, nada disso tinha acontecido. Eu me sinto tão culpada, que tipo de pessoa eu sou? – Minha mãe disse chorando.

- A culpa não foi sua, Lauren! Esse rapaz que foi culpado pelo o que aconteceu com a sua filha. – Júlia disse.

- Você não vê que eu que causei tudo isso? Esse maldito transtorno...

- Ele irá sumir, basta você querer e aceitar se cuidar de novo. – Respondi.

- Eu não preciso daqueles remédios de novo! – Ela teimou.

- Você quer viver que nem uma louca? Tudo bem, mas eu não irei ficar em casa para você descontar tudo em cima de mim. – Disse.

- Calma meninas! Assim não vamos chegar à lugar nenhum. Lauren, você tem alguma coisa para falar a Kate?

- Eu já disse a ela que sinto muito pelo o que aconteceu, mais ela não acredita. – Ela respondeu.

- Então diga de novo, a olhando nos olhos.

Minha mãe suspirou e me olhou.

- Eu juro por tudo o que é mais sagrado que a vontade que eu tenho é de mandar matar aquele moleque que fez isso com você. Eu sinto muito, de verdade. Eu sei que essa mágoa não vai sair agora de você, mas quando eu te coloquei no convento, eu estava querendo somente o seu bem. Confesso que não me importei se essa era a sua vontade, e às vezes me arrependo por não ter visto você crescer como eu queria. Você saiu de mim, Kate, é um pedaço de mim. Me desculpa pelas coisas ruins que te falei, eu não quis falar aquilo, eu fico fora de mim. Me perdoa por não ser uma boa mãe, mas eu te amo. 


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Continua?
Obrigada por todos os comentários!